04 Nov

Carta urgente da felicidade

A infelicidade é fria e pegajosa. Quando nos abraça, muitas vezes fica, destruindo os nossos instantes que assustados se amontoam numa rotina qualquer. Ao fundo da vida, quase inédita, encontra-se a felicidade, hoje não te quero falar dela mas permitir que ela mesma de corpo inteiro se dirija a ti. Ela parece estar tranquila, pensativa, talvez sem compreender porque a infelicidade está na moda…

“Com frequência tenho vontade de te dizer, enquanto observo pelas ranhuras do teu tempo estragado pela insatisfação, dizer-te, por exemplo, não acredites nos rumores que goteiam pelas gretas do presente. A vida sempre continua para a frente, imparável, ela não tem nenhum inventario da qualidade dos teus instantes. Outras vezes vi trepar MEDOS, pelas paredes da tua vida, tentando paralisar os teus sonhos, vi também empoleirarem-se pelo teto da tua existência muitas necessidades desnecessárias e tudo isto porque não aprendeste a viver oportunamente.

Talvez me estejas a perguntar, mas quem me fala? Sou a tua felicidade, essa atitude pendente, sou esse farol que permanece apagado e quero lembrar-te que o tempo passa independentemente de como te sintas. Vi-te a andar lentamente, ignorando a tua missão, ocupado a tempo inteiro com o teu trabalho, a atravessar cansado os teus fins-de-semana, consumindo produtos recreativos, talvez para te escapares do teu próprio vazio existencial.

Sou a tua felicidade pendente e vim para te dizer que na realidade é mais fácil encontrares-te comigo, só tens que encher-te de valor, juntar toda a tua vontade, usar o escudo dos valores e reencontrares-te comigo, lembra-te sou natural, mas a minha porta só se abre por dentro. Sabias que os infelizes inventaram o mito que já não existo? E que a infelicidade é ir à deriva pelo caminho do inferno?

À noite quando te deitares, já passaram vários dias sem mim. A infelicidade à qual estás acostumado delineou para a tua vida jornadas de desespero e pessimismo, ausência de entusiasmo e uma rotina intacta. Estou convencido que a infelicidade é uma estupidez aceite, que diminui o homem, talvez o pior seja que ela acabe por ser aceite. Convence-te que sou possível, estou disponível, não faz falta que me procures, só tens de me escolher, declara-te feliz porque da tua capacidade de ser feliz dependerá a tua capacidade de viver bem, lembra-te que eu não estou no cimo da montanha mas no disfrute de todo o trajeto.

É verdade que sou enfermeira, não te preocupes com isso, pois todos estamos de passagem. Estou dentro de ti, ao fundo, entreabre a minha porta, deixa a escuridão da infelicidade, atravessa todos os teus medos, abre caminho entre rumores e prejuízos, deixa também as más memorias e dança comigo até que te convertas no que fazes e, quando formos o mesmo, constatarás que a vida era outra coisa e que eu sou e serei imprescindível para ti. Atreves-te?

CHAMALÚ é um homem de sabedoria que une o ancestral ao contemporâneo, o sagrado ao mundano, o interno ao externo. CHAMALÚ é um místico hedonista, um filósofo da vida, um sonhador prático, um poeta vivencial, um líder visionário que sonha com um mundo novo e vive em coerência com esse desejo.